TENDÊNCIAS DO FOOD SERVICE PARA 2021

2020 foi um ano desafiador: muitos setores, entre eles o food service, tiveram que se adaptar para enfrentar a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. Com a notícia da vacina e de medicamentos em testes contra a Covid-19, há uma onda de otimismo para o próximo ano, sobretudo no ramo da alimentação, que já possui algumas tendências.

No ano passado, muitos restaurantes passaram meses com as portas fechadas para evitar aglomerações. Com o retorno das atividades, a maioria dos negócios de alimentação teve que se adaptar às recomendações sanitárias e de distanciamento social.

Segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF) com a consultoria Galunion, o delivery passou a representar 36% do faturamento das redes em 2020, contra 18% em 2019. 

Em decorrência da quarentena, vimos várias lojas físicas fecharem. O delivery, por sua vez, passou a ser utilizado como principal canal de venda. Ainda de acordo com a mesma pesquisa, 73% das franquias de alimentação adotaram o delivery em 2020.

De acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA), o IBGE e as projeções da consultoria Food Consulting, o mercado de food service deve atingir um crescimento de 22% a 25% em 2021.

Em outra projeção, a previsão da Research and Markets é de um mercado global para as foodtechs de US $250,4 bilhões até 2022.

Antes de tudo, em busca de atender às novas demandas do público, as inovações tecnológicas têm desenvolvido novos formatos de empresas e produtos, diferentes dos negócios convencionais. Os novos modelos das startups já conquistaram uma parcela significativa de empreendedores e consumidores.

Mirando para tendências que vão impactar diretamente o desenvolvimento do mercado de alimentação, conheça o que pode potencializar as foodtechs em 2021.

  1. Delivery

Nos últimos anos o serviço de delivery vem crescendo. Em 2020, por causa da crise do coronavírus, o serviço decolou com as demandas disparadas. O delivery próprio, ao invés do delivery de terceiros, representa um crescimento de 32% – perdendo apenas para entregas através do Ifood, que representa 62% do serviço.

  1. Take Away e Drive-thru

O drive-thru não é um formato novo para as franquias, afinal, as grandes redes de fast food já utilizam este formato há algum tempo. Mas, com os restaurantes fechados e as pessoas evitando aglomerações, a busca pelo drive-thru aumentou ainda mais.

No entanto, mesmo que a procura tenha aumentado, o take away tem ganhado espaço no mercado. O take away é um formato parecido com o drive-thru, mas a ideia é que os restaurantes ofereçam os seus produtos para serem consumidos em outro local que não seja o próprio restaurante.

Os pedidos são feitos através do app da rede ou através do delivery, por fim, o consumidor vai buscar o pedido no restaurante. Mas, para que este modelo funcione normalmente, é importante que o desenvolvimento omnichannel esteja funcionando.

E você sabe o que significa “omnichannel”? Ela é a integração de todos os canais que a rede está presente, Ou seja, para que o drive-thru, take away e o próprio delivery funcionem, é importante desenvolver estratégias omnichannel.

Por fim, integrar a comunicação dos aplicativos com a loja física (tanto em pagamento quanto em registro de pedidos) e oferecer a melhor experiência ao cliente é fundamental para uma boa estratégia.

  1. Dark Kitchen: um novo modelo de negócio em ascensão

Empreendedores e franqueadores têm voltado a sua atenção para um modelo de negócio em ascensão: o Dark Kitchen.

Em outras palavras, e ste modelo consiste em não possuir um ponto de venda em loja física, com espaço para consumir no local. O formato se limita apenas a uma cozinha, onde os produtos são ofertados pela rede e a única forma de consumir é por meio do take away e delivery.

Em um estudo feito pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), 45% das franquias pretendem investir em Dark Kitchens. O modelo se torna atrativo pois gera menos gastos para a franquia, uma vez que o aluguel é menor, o número de funcionários é reduzido e a gestão se torna mais fácil.

  1. Atendimento automatizado

O atendimento automatizado vem mostrando o seu potencial há algum tempo. Alinhado com a inteligência artificial, o mercado de alimentação tem grandes benefícios quando big data e IoT (Internet of Things) andam juntos.

Você já foi ao Mc Donalds, por exemplo, e realizou o seu pedido através de uma central de atendimento? É literalmente isso que caracteriza o autoatendimento: você consegue fazer tudo sozinho.

Segundo a Nielsen, cerca de 64% dos participantes da pesquisa têm smartphone. Quando o assunto é alimentação, com base no mesmo estudo houve um aumento de 82% no ecommerce brasileiro. Isso significa que a tendência de conectividade e automação na hora de consumir é um fato.

Para boa parte das redes de fast food este tipo de atendimento já é realidade, mas isso pode se tornar ainda mais comum em outros tipos de serviços, como pagamento de contas e organização das finanças, como Rão Bank por exemplo.

Por fim, agora que você sabe o que é uma foodtech e quais são as vantagens dela para o setor de alimentação, que tal recorrer a especialistas que entendem sobre Tecnologia para agregar ao seu negócio?

O nosso CEO Guilherme Lemos, lançou em Julho de 2021 a sua Mentoria. Onde aborda todos os pontos necessários para uma gestão de sucesso dos mais variados negócios. As turmas são exclusivas, divididas entre aulas online e presenciais e consultoria exclusiva.

Gostou deste artigo?

Compartilhar no facebook
Compartilhe no Facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhe no Twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhe no Linkdin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhe no WhatsApp

deixe seu comentário